Dona das marcas Kipling e Timberland diz que não vai mais comprar couro de fornecedores brasileiros

fabricante de calçados e acessórios em couro e dona de 18 marcas, como l Timberland, Kipling, The North Face e Vans, informou que não comprará mais a matéria-prima do Brasil por questionamentos sobre o respeito ao meio ambiente na cadeia de produção.

Em comunicado enviado ao GLOBO, a empresa, sediada em Denver, no Colorado, disse que, desde 2017, trabalha para que seus fornecedores estejam de acordo com os requisitos de “abastecimento responsável”.

Viu isso? Aparência da mulher de Macron e Bolsonaro gera crise

A confirmação da VF Corporation de que suspenderá a compra de couro do Brasil ocorreu após a indústria brasileira de curtume ter recuado na informação sobre o risco deste banimento.

Na avaliação da dona das marcas Timberland e Kipling, que não especifica se a decisão tem relação direta com as queimadas na Amazônia, a empresa não consegue “assegurar satisfatoriamente que os volumes mínimos de couro comprados de produtores brasileiros sigam esse compromisso”.

A VF diz que interromperá as compras de fornecedores brasileiros “até que haja a segurança que os materiais usados em nossos produtos não contribuam para o dano ambiental no país”.

 

A informação de que a VF havia suspendido as compras de couro brasileiro havia sido inicialmente relatada nesta quarta-feira pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), associação que representa o setor, ao Ministério do Meio Ambiente.

Na carta, a instituição dizia que o anúncio da suspensão das importações era uma “informação devastadora” para o Brasil, uma “nação que exporta mais de 80% de sua produção de couros, chegando a gerar US$ 2 bilhões em vendas” ao ano.

criação de site