Take a fresh look at your lifestyle.

Premiê socialista da Espanha se nega a jurar sobre Bíblia em sua posse




Premiê socialista da Espanha se nega a jurar sobre Bíblia em sua posse

<span style="font-weight: 400">A B&iacute;blia Sagrada n&atilde;o fez parte do juramento de posse do primeiro-ministro, pela primeira vez na hist&oacute;ria da democracia espanhola. Em sua posse no &uacute;ltimo s&aacute;bado (2), Pedro S&aacute;nchez, do partido Socialista, dispensou os s&iacute;mbolos crist&atilde;os e jurou lealdade apenas diante da Constitui&ccedil;&atilde;o da <span style="color: #800000"><a style="color: #800000" href="https://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/espanha-tem-mais-de-80-novas-igrejas-evangelicas-por-ano-segundo-relatorio.html"><strong>Espanha</strong></a></span>.</span>

No Palácio da Zarzuela, residência oficial do rei nos arredores de Madri, o socialista rompeu o protocolo adotado por todos os primeiros-ministros que governaram o país após a restauração da democracia, em 1975.

“Prometo, por minha consciência e honra, cumprir fielmente as obrigações do cargo de presidente do Governo, com lealdade ao rei, e guardar e fazer cumprir a Constituição como norma fundamental do Estado, assim como manter segredo das deliberações do Conselho de Ministros”, leu Sánchez, enquanto apoiava a mão direita num exemplar da Constituição de 1978.

O novo presidente se define como ateu e defende o fim do ensino religioso nos colégios públicos. Sánchez acredita que o Estado deve ser laico e completamente desvinculado de qualquer religião.

Após uma mudança introduzida pela Casa del Rey em 2014, foi concedida ao primeiro-ministro a liberdade de fazer o juramento com ou sem presença de símbolos religiosos. No entanto, os últimos governantes haviam optado por manter a tradição de ter Bíblia e crucifixo ao alcance.

Contexto político

A cerimônia de posse ocorreu após o conservador Mariano Rajoy ser forçado a deixar o cargo, diante da aprovação de uma moção de censura (ou de desconfiança) pelo Parlamento.

O Partido Popular do ex-premiê é alvo de um escândalo de caixa dois de campanha, com irregularidades que teriam ocorrido entre 1999 e 2005. Os parlamentares passaram a questionar o governo e Sánchez, que é secretário-geral do Partido Socialista, articulou a moção.

De acordo com a legislação espanhola, o partido que pede a censura do governante deve propor, simultaneamente, um nome para substituí-lo. Sánchez foi indicado e entrou para a história como o primeiro a assumir o cargo sem ser deputado.





Source link

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais