Take a fresh look at your lifestyle.

Pastor diz que termo “unção” é frequentemente mal usado entre os evangélicos




Pastor diz que termo “unção” é frequentemente mal usado entre os evangélicos

<span style="font-weight: 400">[youtube https://www.youtube.com/watch?v=hLRzjDKmEEI]</span>

O pastor Heber Campos Jr. explicou em um vídeo publicado pela Editora Vida Nova que unção, diferente do que muitos pensam, não é algo que vem e vai, mas que permanece no cristão. Ele ressalta sua visão sobre o assunto baseando-se na Bíblia.

“É bom que a gente desconstrua algo que não está nas Escrituras, para depois a gente falar do que é um reflexo mais fiel do que está nas Escrituras. Para muitos, a unção do espírito é aquela coisa que entra antes da pregação começar e sai depois que a pregação terminou, como se o espírito fosse um poder variável, que vem e vai”, disse ele.

“A gente achar que a unção faz conosco que fazia com Sansão, por exemplo, quando o Espírito estava em Sansão e ele fez coisas extraordinariamente fortes, eu acho que essa não é uma boa analogia. Porque a unção nas Escritura não tem a ver primordialmente com poder. Unção era um ato público de reconhecimento de que alguém tem autoridade para exercer a sua função”, colocou o pastor.

Ele ainda salienta sobre a história de Saul. “Na história de Saul acontece algo curioso. Ele acaba abandonando os caminhos de Deus e diz que o Espírito saiu dele. Depois disso, Davi teve um encontro com Saul e não o mata, porque ele era ungido do Senhor. O que Davi estava expressando aqui é que ele não tinha liberdade para matar Saul, porque tinha a autoridade”, coloca.

“No Novo Testamento o texto mais útil para a gente compreender a unção é I João 2. Frequentemente as pessoas são confundidas pelos títulos em negrito dizendo sobre a unção do Espírito Santo, que na verdade não é um retrato dos mais fiéis. A unção do Santo não está falando do Espírito, mas de Jesus. Ele é o Santo da passagem. Inclusive fala do retorno Dele. Então é uma referência clara da segunda pessoa da Trindade, o santo de Israel. E é Ele quem nos dá autoridade”, ressalta.

“A unção tem a ver com autoridade que recebemos, por que a verdade da Palavra reside em nós. I João 2 fala que a unção permanece, ela não vem vai. Unção não é um bom termo para a gente falar do pregador, porque dá a impressão que ele tem uma coisa por pouco tempo. Na verdade, a unção é o que nos une e não o que nos separa”.

“Unção não é uma coisa que vem e vai. É algo que permanece, é a palavra de Deus aplicada ao nosso coração. Ela é conosco, então quando o pregador vai ministrar a Palavra ele tem que ir na confiança de que já é ungido por Deus. E quando nós oramos, não devemos orar para que Deus unja o pregador, porque ele já tem a unção dos Santos”.





Source link

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais