Take a fresh look at your lifestyle.

Líderes evangélicos pedem que Brasil também reconheça Jerusalém como capital de Israel




Líderes evangélicos pedem que Brasil também reconheça Jerusalém como capital de Israel

Lideranças evangélicas e judaicas do Brasil estão celebrando a histórica decisão dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e transferir para lá sua embaixada, que atualmente está localizada em Tel Aviv.

Deputados evangélicos como o presidente Grupo Parlamentar de Amizade Brasil-Israel, querem que o Brasil pare de votar a favor de resoluções da Organização das Nações Unidas que condenam atitudes de Israel em relação à Jerusalém e seus territórios.

“A comunidade evangélica aqui no Brasil vê com muitos bons olhos a atitude do governo Trump. É um movimento importante para que o Estado de Israel se firme, para que o povo judeu se firme, anunciando para o mundo que Jerusalém historicamente sempre foi a cidade santa dos judeus e do cristianismo”, disse Jony Marcos (PRB-SE) à BBC Brasil.

Outro grupo que tem pressionado o governo brasileiro é o  Amigos de Israel, que hoje conta com 46 deputados e senadores — 31 deles também integrantes da Frente Parlamentar Evangélica.

No início de 2018, após o recesso parlamentar, Marcos pretende reunir integrantes dos grupos pró-Israel no Itamaraty com objetivo de pressionar o governo a seguir os passos da administração Trump e mover a embaixada brasileira para Jerusalém.

Pressão ao governo

Marcos lamenta o fato de o governo brasileiro continuar votando a favor de resoluções da ONU na Assembleia Geral e na Unesco que desvinculam Israel de seus locais sagrados. Ele destaca que a Bíblia é o registro histórico suficiente para comprovar que Jerusalém é a capital de Israel.


Representantes do Grupo Parlamentar de Amizade Brasil-Israel. (Foto: Divulgação/Jony Marcos)

“Donald Trump está sendo como um semeador da verdade”, afirma a pastora Jane Silva, presidente da Associação Cristã de Homens e Mulheres de Negócios e a Comunidade Brasil-Israel.

Jane pretende reunir pelo menos um milhão de assinaturas para pressionar o governo brasileiro a mudar sua postura em relação a Israel e entregar o documento em fevereiro, Brasília.

“O que o governo brasileiro está fazendo é rasgar a nossa Bíblia, rasgar a nossa fé. O Brasil vota que Jerusalém não tem a ver com o povo judeu, com Israel. Se Jesus não é homem judeu, não tem a ver com o povo judeu, o Brasil está tentando desmontar a fé no cristianismo”, criticou a pastora.

Posicionamento brasileiro

Enquanto países como França, Alemanha, Reino Unido, Turquia e China criticaram a decisão americana de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, o governo brasileiro não se manifestou. Diante dessa neutralidade, Jane e Marcos afirmam que até o momento, não notam mudanças na postura do governo brasileiro em relação a Israel.

A única exigência feita pelo Itamaraty desde que Michel Temer assumiu a Presidência é a mudança na redação das resoluções na ONU pelos países árabes. Um das reclamações está no fato do Monte do Templo ser referido apenas pela denominação árabe, al-Aqsa ou Haram al-Sharif.


Pastora Jane Silva com o diplomata israelense Dani Dayan, que foi recusado por Dilma Rousseff como embaixador no Brasil. (Foto: Divulgação)

Em junho do ano passado, o então chanceler José Serra divulgou nota dizendo que o Brasil iria rever seu apoio à resolução, caso não houvesse mudanças no seu texto. Os países árabes não apresentaram essa resolução em outubro deste ano, o que pode indicar um receio de perder votos do Brasil e de outros países.





Source link

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais