Take a fresh look at your lifestyle.

Governo estuda aumentar as taxas para estudantes internacionais



O governo americano estuda a possibilidade de aumentar as taxas para obtenção do visto de estudante F-1. Ainda não há data para que o valor entre em vigor. A nova taxa deve ajudar a suprir as necessidades administrativas do Student and Exchange Visitor Program (SEVP), órgão federal responsável pelo controle das escolas credenciadas e pela administração de dados dos estudantes estrangeiros.

As taxas estavam congeladas desde 2008. O SEVP é mantido somente com as taxas impostas às escolas e estudantes internacionais. Segundo o governo, há uma defasagem de pessoal e uma necessidade de investir na investigação de fraudes cometidas por escolas.

A nova medida ainda não está em vigor, e o governo abriu espaço em seu website para que o público comente sobre o assunto. A data limite para recebimento de críticas e sugestões encerra-se no dia 17 de setembro. Os interessados devem procurar o website https://www.regulations.gov/ para obter informações de como enviar sugestões para o governo.

Novos valores

A proposta solicita que as escolas passem a pagar $3 mil dólares para sua certificação, o valor anterior era de $1700 dólares.  A novidade é uma nova taxa para as escolas que precisam ser recertificadas, agora elas teriam que pagar pelo processo, o valor estudado é de $1250 dólares, em caso de apelação de processos negados, a escola teria que pagar $675 pelo formulário I290B.

O preço da inspeção da escola continua o mesmo, $655 dólares.

Os formulários I-901 para vistos F e M, usados por estudantes estrangeiros, passaria de $200 para $350 dólares. Enquanto isso, o mesmo formulário I-901 para vistos J, passaria de $180 para $220.

A taxa de $35 para o formulário I-901 para o visto J usado por au pairs, camp counselors e trabalho de verão será mantida.

Participação

A possibilidade de deixar comentários, sugestões e críticas é uma ótima oportunidade para os estudantes e futuros estudantes estrangeiros solicitarem do governo mais oportunidades para os estudantes estrangeiros. Os portadores do visto F1 só podem trabalhar durante as férias e no campus da universidade. A outra opção é solicitar um OPT (Optional Practical Training) quando terminarem o curso superior.

Os alunos em curso de inglês, com o visto F1, não tem autorização para exercer atividade remunerada nos EUA. “Se o estudante pudesse trabalhar pelo menos 20h por semana seria um atrativo muito grande para que a gente viesse para os EUA.  Ajudaria no orçamento e a praticar a língua no dia a dia”, disse a estudante Marcela Monteiro, do Pernambuco.

Números

Nem mesmo a crise brasileira tem afastado os estudantes de conquistar o tão sonhado diploma em uma Universidade Americana. De acordo com o relatório anual do Student and Exchange Visitor Information System (SEVIS) o número de estudantes internacionais vindos da América do Sul cresceu 4,3% entre março de 2017 e março de 2018, e quem mais enviou estudantes foi o Brasil. O número de estudantes brasileiros cresceu 13,1%.

A América do Sul ganhou da Austrália – 3,3% de aumento e África, 1,4%. As outras regiões, Europa, América do Norte e Ásia tiveram números negativos, -1,1%, -1,7% e -0.8% no período da pesquisa.

O único país da América do Sul que registrou diminuição no número de estudantes enviados aos Estados Unidos foi a Venezuela, com 8,7% a menos.

No total geral o número de estudantes com visto F1 entre março de 2017 e março 2018 caiu apenas meio por cento, passando de 1,208 milhão de estudantes para 1,201 milhão em março 2018. Já o número de estudantes para o visto J1 aumentou mais de 4 por centro, subindo de 201,4 mil para 209,5 mil.



Source link

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais