Take a fresh look at your lifestyle.

Filha adotiva da ministra Damares, nega ter sido sequestrada pela misnistra

Ministra Damares e sua filha adotiva

Uma reportagem publicada pela revista Época na última quinta-feira (31), tentou sustentar uma acusação de que a ministra Damares Alves teria sido cúmplice no “rapto” da índia Kajutiti Lulu Kamayurá, ainda criança de uma aldeia no Xingu. Porém, tanto a ministra quanto Lulu — hoje com 20 anos — desmentiram a informação, assegurando que a garota não foi levada à força da aldeia.

“Foi amor à primeira vista. Ela se apaixonou por mim e depois eu por ela. O resto é tudo mentira”, disse a índia.

A reportagem da revista Época diz trazer depoimentos de índios da aldeia Kamayurá, no norte do Mato Grosso, de onde Lulu saiu ainda criança. Porém, a índia afirma que a publicação da revista com os depoimentos faz parte de uma ação com finalidades políticas.

Em entrevista para a UOL, Lulu explicou que se lembra de ter deixado a aldeia aos seis anos para fazer um tratamento dentário em Brasília, com autorização de seus pais biológicos. Ela partiu em uma viagem de barco até a cidade Canarana e embarcou em um ônibus para Brasília, onde ficou hospedada na casa da missionária Márcia Suzuki, que desenvolvia um trabalho voluntário na aldeia. Foi na casa de Márcia que a menina conheceu Damares.

Lulu contou que Damares se “apaixonou” por ela e, após conseguir autorização de seus pais, a levou para casa. Como era muito nova, não conseguir apontar as datas com precisão por si só, durante a entrevista. Porém destacou que não foi algo repentino. A mudança para casa de Damares teria ocorrido três anos após sua chegada à capital federal. 
Além de Lulu, dois de seus irmãos também foram para Brasília e os pais os visitavam constantemente.

Na entrevista para o site, Lulu se mostrou incomodada com as acusações feitas contra Damares pela revista Época. A moça disse que não acredita que a avó paterna, Tanumakaru — entrevistada pela “Época” — tenha dito que a neta foi levada sem autorização, como consta na reportagem.

O outro lado

O relato de Lulu realmente mostra um outro lado dessa história. A moça conta que foi “salva” pela missionária Márcia, pois estava desnutrida e com problemas sérios de saúde. Márcia ganhou significado tal para a índia que a inspirou a atuar na mesma organização como voluntária, posteriormente.

A moça explicou que voltou à aldeia no XIngu, 9 anos depois de sua saída. Ela foi bem recebida pelos moradores locais, que jamais mencionaram sequer a possibilidade dela ter sido raptada dali.

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais