Take a fresh look at your lifestyle.

Congresso recebe reforma imigratória de Biden

Presidente Biden

A esperada reforma imigratória do presidente Joe Biden começa a tramitar nas casas legislativas nesta quinta-feira (18).

 A chamada U.S. Citizenship Act of 2021  ( Lei de Cidadania dos Estados Unidos 2021), será apresentada na Câmara dos Deputados às 11:30 a.m., ET, pelo senador Bob Menendez, de New Jersey, que lidera a articulação do projeto no Congresso americano.

Ele estará acompanhado pela deputada Linda Sánchez, da Califórnia, e outros 10 legisladores Democratas, de acordo com um comunicado do gabinete de Menendez.

Concluída a menos de um mês do início do governo Biden, a legislação tem como peça central criar caminho de oito anos para a legalização de milhões de imigrantes que já estão nos EUA.

Para serem beneficiados, os candidatos terão que passar por verificações de antecedentes criminais, pagar impostos e preencher outros requisitos, de acordo com a proposta preliminar apresentada por Biden.

A partir daí, eles teriam autorização para viver e trabalhar no país por um período de cinco anos e, após esse prazo, poderiam se candidatar a um green card, o que lhes daria status de residentes permanentes.

Certos imigrantes como os jovens portadores do DACA ( Defeered Action for Childhood Arrivals), trabalhadores rurais e beneficiários do Temporary Protected Status (TPS) poderiam solicitar residência permanente imediatamente.

O ambicioso plano do presidente Democrata chega aos EUA 35 anos depois que o presidente Republicano, Ronald Reagan, promulgou a Lei de Reforma e Controle da Imigração em 1986, que permitiu regularizar a situação de cerca de 3 milhões de indocumentados.

“O momento é de esperanças, mas também sabemos que começamos aqui uma batalha”, disse Angélica Salas, diretora-executiva da Human Rights Immigrants Coalition, ao canal Univision. “O objetivo é uma reforma da imigração justa e humana”, acrescentou Salas, destacando que “não há alternativas a não ser lutar pela aprovação da lei”.

Mesmo com maioria na Câmara e no Senado, os Democratas não têm votos suficientes só no seu partido para passar a legislação, sendo preciso convencer parlamentares Republicanos a votarem alinhados.

O Partido Democrata tem 50 das 100 cadeiras no Senado. Para ser aprovado o projeto exige 60 votos dos senadores.

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais