Take a fresh look at your lifestyle.

Com 24 mudanças, Bolsonaro perde só para Temer e Itamar em troca de ministros

Mundança de ministros

O anúncio de reforma ministerial com 6 mudanças no 1º escalão do governo, feito nessa 2ª feira (29.mar.2021), fez de Jair Bolsonaro o 3º presidente que mais trocou ministros desde a redemocratização. O levantamento considera apenas os primeiros 2 anos e 3 meses de mandato.

O atual chefe do Executivo fez 24 trocas na chefia de ministérios, superando Fernando Collor (21), Fernando Henrique Cardoso (8), Lula (10) e Dilma Rousseff (17). Bolsonaro perde apenas para os ex-presidentes Michel Temer e Itamar Franco, que fizeram 32 e 41 mudanças, respectivamente.

O número de mudanças feitas por Bolsonaro (24) é próximo ao de trocas feitas por FHC (21), Lula (17) e Dilma (25) nos primeiros 2 anos e 3 meses do 2º mandato de seus governos. O levantamento utiliza dados da Lagom Data, estúdio de inteligência de dados do jornalista Marcelo Soares.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

REFORMA SURPRESA

Bolsonaro confirmou na noite dessa 2ª feira (29.mar) os nomes de quem assumirá 6 ministérios de seu governo. A deputada federal Flávia Arruda (PL-DF) é a principal surpresa entre os indicados. Ela assumirá a Secretaria de Governo. As trocas também envolvem os ministérios da Casa Civil, Justiça e Segurança Pública, Defesa, Relações Exteriores e AGU (Advocacia Geral da União).

As mudanças no governo começaram no fim da manhã desta 2ª feira, quando o ministro Ernesto Araújo pediu demissão da pasta de Relações Exteriores. Ele vinha sofrendo pressão de congressistas para deixar o cargo por causa de problemas na negociação com países para a compra de vacinas para o combate à covid-19. No lugar dele assumirá o embaixador Carlos Alberto Franco França, que já chefiou o setor de Cerimonial da Presidência da República.

Horas depois de Ernesto, foi a vez do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, anunciar que deixaria o cargo. Ele não informou o motivo da saída, mas o Poder360 apurou que Bolsonaro estava insatisfeito com o modo como conduzia a pasta. Segundo o governo, quem assume é o também general Walter Souza Braga Netto, que chefiava a Casa Civil.

Com a mudança na Casa Civil, o general Luiz Eduardo Ramos, que ocupava a Segov (Secretaria de Governo), foi indicado para o posto de Braga Netto. Antes da confirmação de Flávia Arruda para a secretaria, outros nomes foram cogitados, como o do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR). A congressista é casada com o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, que foi preso acusado de chefiar um esquema de desvio de dinheiro nas obras de construção do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília.

Na Câmara, Flávia Arruda sempre atuou de forma favorável ao governo Bolsonaro. Votou a favor da reforma da Previdência e foi, recentemente, presidente da Comissão Mista do Orçamento, no Congresso.

AGU E JUSTIÇA

Na esteira de mudanças, o advogado-geral da União, José Levi, foi outro que anunciou a saída do cargo. Ele será substituído por André Mendonça, que estava na Justiça e Segurança Pública, mas já ocupou a AGU.

Com a troca nas duas pastas, o delegado da Polícia Federal Anderson Torres assumirá o cargo no Ministério da Justiça e Segurança Pública. Não foi anunciado novo cargo no governo para Levi.

mudancas ministerios governo Bolsonaro 29mar 1

Eis a nova disposição da equipe ministerial depois das mudanças feitas nessa 2ª (29.mar):

CONTINUAR LENDO

O atual chefe do Executivo fez 24 trocas na chefia de ministérios, superando Fernando Collor (21), Fernando Henrique Cardoso (8), Lula (10) e Dilma Rousseff (17). Bolsonaro perde apenas para os ex-presidentes Michel Temer e Itamar Franco, que fizeram 32 e 41 mudanças, respectivamente.

O número de mudanças feitas por Bolsonaro (24) é próximo ao de trocas feitas por FHC (21), Lula (17) e Dilma (25) nos primeiros 2 anos e 3 meses do 2º mandato de seus governos. O levantamento utiliza dados da Lagom Data, estúdio de inteligência de dados do jornalista Marcelo Soares.

Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail

REFORMA SURPRESA

Bolsonaro confirmou na noite dessa 2ª feira (29.mar) os nomes de quem assumirá 6 ministérios de seu governo. A deputada federal Flávia Arruda (PL-DF) é a principal surpresa entre os indicados. Ela assumirá a Secretaria de Governo. As trocas também envolvem os ministérios da Casa Civil, Justiça e Segurança Pública, Defesa, Relações Exteriores e AGU (Advocacia Geral da União).

As mudanças no governo começaram no fim da manhã desta 2ª feira, quando o ministro Ernesto Araújo pediu demissão da pasta de Relações Exteriores. Ele vinha sofrendo pressão de congressistas para deixar o cargo por causa de problemas na negociação com países para a compra de vacinas para o combate à covid-19. No lugar dele assumirá o embaixador Carlos Alberto Franco França, que já chefiou o setor de Cerimonial da Presidência da República.

Horas depois de Ernesto, foi a vez do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, anunciar que deixaria o cargo. Ele não informou o motivo da saída, mas o Poder360 apurou que Bolsonaro estava insatisfeito com o modo como conduzia a pasta. Segundo o governo, quem assume é o também general Walter Souza Braga Netto, que chefiava a Casa Civil.

Com a mudança na Casa Civil, o general Luiz Eduardo Ramos, que ocupava a Segov (Secretaria de Governo), foi indicado para o posto de Braga Netto. Antes da confirmação de Flávia Arruda para a secretaria, outros nomes foram cogitados, como o do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR). A congressista é casada com o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, que foi preso acusado de chefiar um esquema de desvio de dinheiro nas obras de construção do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília.

Na Câmara, Flávia Arruda sempre atuou de forma favorável ao governo Bolsonaro. Votou a favor da reforma da Previdência e foi, recentemente, presidente da Comissão Mista do Orçamento, no Congresso.

AGU E JUSTIÇA

Na esteira de mudanças, o advogado-geral da União, José Levi, foi outro que anunciou a saída do cargo. Ele será substituído por André Mendonça, que estava na Justiça e Segurança Pública, mas já ocupou a AGU.

Com a troca nas duas pastas, o delegado da Polícia Federal Anderson Torres assumirá o cargo no Ministério da Justiça e Segurança Pública. Não foi anunciado novo cargo no governo para Levi.

Eis a nova disposição da equipe ministerial depois das mudanças feitas nessa 2ª (29.mar):

Ministros governo Bolsonaro 29 mar 2021 1

Poder 360

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais