Os hospitais em Xinjiang (China) receberam ordens do Partido Comunista Chinês para abortar e matar todos os bebês nascidos acima dos limites de planejamento familiar, incluindo recém-nascidos. A recusa em cumprir tais ordens implicaria em enfrentar multas pesadas, afirma um novo relatório.

Hasiyet Abdulla, obstetra uigur (minoria étnica) que trabalhou em vários hospitais na região autônoma uigur de Xinjiang, no noroeste da China, por 15 anos, disse à Radio Free Asia (RFA) que as maternidades implementaram políticas de planejamento familiar estritas destinadas a restringir uigures e outras minorias étnicas e religiosas a três crianças.

“Cada hospital tinha uma unidade de planejamento familiar que era responsável pela implementação do controle (quem tinha quantos filhos, quando os deu à luz, etc), eles monitoram tudo isso”, disse ela.

“Os regulamentos eram tão rígidos: devia haver três ou quatro anos entre os nascimentos das crianças. Houve bebês nascidos aos nove meses, que matamos após induzir o parto. Eles faziam isso nas enfermarias da maternidade, porque essas eram as ordens”, acrescentou.

Abdulla disse à RFA que os bebês eram abortados mesmo que suas mães estivessem “grávidas de oito e nove meses”, acrescentando que, em alguns casos, a equipe médica “até matava os bebês depois de nascerem”.

Bebês que nasceram no hospital fora dos limites de planejamento familiar também não estavam em segurança, disse ela, acrescentando que os médicos “os matariam e eliminariam o corpo”.

“Eles não dariam o bebê aos pais. Eles matam os bebês quando nascem”, disse ela.

“É uma ordem que foi dada de cima, é uma ordem que foi impressa e distribuída em documentos oficiais. Os hospitais são multados se não cumprirem, então é claro que eles fazem isso”, relatou.

Massacre documentado

Relatórios anteriores revelaram como o Partido Comunista Chinês esterilizou à força, abortou e tomou outras medidas para reduzir a taxa de natalidade em Xinjiang.

Em um estudo publicado em junho (2020), o acadêmico e cronista das atrocidades de Pequim em Xinjiang, Adrian Zenz documentou como os oficiais do Partido Comunista aplicaram multas às mulheres uigures que tinham três ou mais filhos e as forçaram a se submeter a testes de gravidez obrigatórios, implantação de DIU ou cirurgia de esterilização.

Ele calcula, com base em informações de sites públicos chineses, que o crescimento populacional caiu 90% entre 2014 e 2019, observando que, apesar da persistência da política do filho único por 40 anos na China continental, a taxa de crescimento populacional dos uigures é inferior à média nacional.

No município de Guma (Pishan) e na cidade de Hotan, os médicos realizaram esterilizações 143 vezes acima da média nacional, segundo Zenz. Antes de um “pico dramático” de esterilizações em 2016, que continuou até o presente, as taxas de natalidade dos uigures eram normalmente mais altas do que a média nacional e as esterilizações muito mais baixas.

Relato pessoal

Uma mulher uigur chamada Bumeryem do município de Toquzaq no condado de Kona Sheher (Shufu) de Kashgar, que fugiu da região para a Turquia em 2016, disse à RFA que, em 2004, ela foi forçada a fazer um aborto enquanto estava grávida de seu quarto filho na metade do segundo trimestre.

“[Os agentes de planejamento familiar] me disseram que eu tinha que fazer um aborto, porque aquela era a minha quarta gravidez. Eles me deram uma injeção no umbigo – eu mesmo paguei 200 yuans (US $ 29) [pelo procedimento]”. ela disse. “[Os agentes] me levaram [ao hospital] e fizeram o aborto em cinco meses”.

“Era um menino. Poderíamos descobrir [o sexo] em cinco meses. Se meu bebê que foi abortado estivesse vivo hoje, ele teria 15 anos”, contou.

Bumeryem disse à RFA que ela se recuperou em um quarto com outras mulheres cujos bebês foram abortados aos sete e oito meses.

“Havia mulheres lá em situações ainda piores do que a minha”, disse ela. “Eu deitei na minha cama e chorei”.

Contexto

O relatório da RFA surge no momento em que a China enfrenta crescentes críticas internacionais por causa do tratamento que dá aos uigures e outras minorias no oeste da China.

As estimativas sugerem que mais de 1 milhão a até 3 milhões de muçulmanos uigures e outros grupos minoritários na China Ocidental foram submetidos a campos de internamento em Xinjiang.

Um relatório recente documentou como a minoria religiosa foi submetida a massacres, campos de internamento em massa, tortura, extração de órgãos e desaparecimentos, além de controle de natalidade e esterilização forçados. O relatório também destaca a transferência forçada de crianças de suas famílias para orfanatos ou casas de pensão estatais chineses.

Em junho, a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) argumentou que a esterilização forçada de muçulmanos uigur é uma “evidência de genocídio”.

“É evidente a partir dos próprios dados do governo chinês que as políticas do Partido Comunista são claramente projetadas para evitar o crescimento populacional dos uigures, do Cazaquistão e de outros povos turcos muçulmanos”, disse o comissário da USCIRF Nury Turkel em um comunicado.

“Instamos o Departamento de Estado a investigar se a tentativa deliberada e sistemática das autoridades chinesas de reduzir geneticamente a população turca muçulmana em Xinjiang atende à definição legal de genocídio conforme contemplado na Convenção de Genocídio”, acrescentou.

Christian Post

criação de site