Take a fresh look at your lifestyle.

Aprovado pela Câmera e Senado da FL, lei que restringe aborto vai para governador

Aborto

O Senado estadual da Flórida aprovou na quinta-feira, 3, um projeto de lei que proíbe a maioria dos abortos após 15 semanas de gravidez, permitindo apenas exceções envolvendo “risco sério” para a gestante e anormalidade fetal fatal, mas sem exceções para estupro ou incesto.

O projeto de lei patrocinado pelo Partido Republicano foi aprovado pela Câmara estadual no mês passado e irá para o governador Ron DeSantis, republicano que já havia sinalizado seu apoio aos legisladores para restringir o acesso ao aborto.

A Flórida se junta à Virgínia Ocidental e ao Arizona como estados liderados por conservadores que avançam um projeto de proibição do aborto por 15 semanas neste ano legislativo. A Suprema Corte dos EUA parece pronta para defender uma lei semelhante do Mississippi que proíbe o aborto após 15 semanas.

O destino da lei Roe vs. Wade, a decisão histórica da Suprema Corte de 1973 que legalizou o aborto em todo o país, também está na balança, e ativistas anti-aborto estão esperançosos de que a maioria conservadora do tribunal irá derrubá-la.

A lei da Flórida atualmente proíbe abortos no terceiro trimestre. Ele permite exceções se o procedimento for necessário para salvar a vida da gestante ou evitar “risco grave de comprometimento físico substancial e irreversível iminente” para a gestante.

O projeto aprovado pelas duas câmaras manteria essas isenções e acrescentaria outra: se o feto tiver uma anormalidade fatal. As mais de uma dúzia de emendas propostas pelos democratas, incluindo uma que abriria uma exceção para estupro e incesto, falharam.

Os senadores votaram em linhas partidárias por 23 a 15 a favor da legislação, que, se sancionada por DeSantis, entra em vigor em 1º de julho.

Gazeta News /Zip Gospel

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais