Evangelista critica pastores que não confrontam o pecado: "Eles ofendem a Deus"

26




Evangelista critica pastores que não confrontam o pecado: "Eles ofendem a Deus"

O escritor, teólogo e evangelista Michael Brown usou recentemente sua coluna no site norte-americano 'Christian Post' para alertar sobre os já visíveis e preocupantes resultados da crescente passividade de pastores, que cada vez menos exortado suas igrejas e a sociedade sobre a importância de seguir os princípios bíblicos.

“Eu não quero parecer crítico, e não sou um homem amargo, nem bravo. Mas estou triste. E sobrecarregado. Então, levantarei minha voz como uma trombeta e direi claramente: ‘O relativo silêncio de nossos púlpitos nos ajudou a mergulhar em nosso atual pântano moral’. Temos coragem e integridade para enfrentar isso?”, questionou Brown.

Michael explicou que não está clamando a necessidade de pastores terem algum tipo de atividade política, mas sim de retomarem o seu papel de profetas na sociedade.

“Não estou falando de pastores e líderes se tornarem políticos. Essa é a coisa mais distante da minha mente”, afirmou. “Mas eu estou falando sobre pastores e líderes se tornarem proféticos. Eu estou falando sobre nós falarmos a verdade no amor, independentemente do custo ou consequência disso. Confrontar o pecado na igreja assim como na sociedade, conformando-se somente à imagem de Deus e não à imagem do mundo, concentrando-se mais na obediência do que na relevância, em agradar a Deus mais do que entreter as pessoas”.

“Estou falando de pastores e líderes que estejam mais preocupados com a aprovação divina do que com a aprovação humana. Mais interessado em causar um impacto duradouro do que ter um grande orçamento. Seguindo o exemplo de Jesus e dos apóstolos – mesmo que leve à rejeição, perseguição e morte – em vez de seguir um modelo de negócios de sucesso”, acrescentou.

O comentário de Brown surge após a reação odiosa ao vídeo que ele compartilhou nas redes sociais, chamado “Você pode ser gay e cristão?”, no qual princípios bíblicos eram expostos, explicando que a homossexualidade é um pecado.

“Recebemos uma torrente de comentários horríveis. Uma inundação de desejos de morte vil. Os ataques mais vulgares e quase inimagináveis ​​contra Deus. Respostas que chegam aos milhares. O YouTube bloqueou o avanço do vídeo. O Google nos lembrou de suas diretrizes contra o conteúdo ‘odioso’. E comentarista após comentarista expressaram seu choque absoluto de que qualquer pessoa em nossos dias e idade pudesse ser tão ‘intolerante a ponto de pensar que Deus criou homens para mulheres e mulheres para homens”, relatou.

“Que m****. Ele está preso nos anos 40 e eu sinceramente sinto pena dele. Ele está cego pela falta de pensamento intelectual”, disse um internauta.

“A Bíblia não é honesta. É um livro judeu do Oriente Médio que vem de uma terra louca. Vocês, macacos, foram todos enganados”, comentou outro.

Mas, segundo Brown, o que me choca não é que tantas pessoas estejam com raiva, destilando seu discurso odioso contra o material e a própria Bíblia.

“O que me choca é que tantas pessoas fiquem chocadas. É como se eles não tivessem ideia de que ainda acreditamos no que sempre acreditamos. Mas há uma razão para isso”, continuou.

Brown então chamou a atenção para a crescente passividade dos pastores e líderes cristãos em seus púlpitos, que estão deixando de reforçar os princípios bíblicos, justamente para “não chocar a sociedade”.

“Quantos pastores e líderes pregaram uma única mensagem clara sobre a Bíblia e a homossexualidade no ano passado? Quantas dessas mensagens você viu na TV ou ouviu no rádio ou ouviu pessoalmente?”, questionou. “Não é de admirar que tantos LGBTs estejam surpresos. A Igreja ficou silenciosa no rádio”.

“Há também um silêncio ensurdecedor nos púlpitos. Ou então a mensagem é tão confusa que a única coisa que fica clara é que nada está claro”, acrescentou. “Na intenção de não ofender a ninguém, ofendemos a Deus. No interesse de não querer fazer com que ninguém se sinta desconfortável, não ajudamos ninguém a escapar do desconforto”.

O evangelista destacou a incoerência entre o que a sociedade pós-moderna considera como “tolerância” e o que julga como “preconceito”.

“No mundo de cabeça para baixo em que vivemos, quando eu faço um vídeo amoroso, de 6 minutos, imparcial, não-contundente, sobre a Bíblia e a prática homossexual, sou criticado, difamado e escarnecido, com uma prática concertada. Há um esforço feito para prejudicar nosso trabalho ministerial. (Isso acontece com os outros que se atrevem a defender a verdade). Então, para acrescentar insulto à injúria, sou avisado pelos gigantes da mídia que o nosso conteúdo é ‘odioso”, afirmou. “No entanto, as pessoas que pesam com comentários assassinos e cheios de ódio são consideradas tolerantes e amorosas”.

“É verdade que nossos líderes estão fazendo o bem de muitas maneiras. Também é verdade que estamos comprometidos, temerosos, covardes e sem visão quando se trata de uma das maiores crises morais da história. Mas Se não nos mexermos hoje, seremos amordaçados pelos outros amanhã. E então, como será?”, finalizou.





Source link

Facebook Comments

criação de site