Trump intensifica escalada verbal contra Coreia do Norte

0
78
Trump e Coreia do Norte
Trump e Coreia do Norte

Donald Trump intensificou sua retórica contra a Coreia do Norte nesta quarta-feira (9), ao afirmar que o arsenal nuclear dos Estados Unidos é, agora, “mais poderoso do que nunca”.

Depois de fazer uma advertência apocalíptica contra a Coreia do Norte, com promessas de “fogo e fúria” em reação ao programa de mísseis de Pyongyang, Trump voltou a usar um tom de ameaça, garantindo que o arsenal nuclear dos Estados Unidos está “mais poderoso do que nunca”.

“Minha primeira ordem como presidente foi renovar e modernizar nosso arsenal nuclear. Está agora mais forte e mais poderoso do que nunca”, tuitou, acrescentando “esperar que nunca tenhamos de usar esse poder”.

Em resposta, Pyongyang ameaçou hoje lançar mísseis contra a ilha americana de Guam, no Pacífico.

As declarações do presidente dos Estados Unidos evidenciam uma escalada na retórica de Washington contra os programas balístico e nuclear norte-coreanos, os quais custaram a Pyongyang sanções mais duras da ONU no fim de semana passado.

As afirmações também parecem uma resposta às declarações frequentes da Coreia do Norte, que na segunda-feira ameaçou transformar Seul em um “mar de chamas”.

O discurso de Trump contrasta com as afirmações do secretário de Estado americano, Rex Tillerson, de que Washington não busca a queda do regime norte-coreano.

Falando aos jornalistas a bordo do avião que o levava a Guam, Tillerson afirmou que o presidente Trump simplesmente usou uma linguagem bem clara.

“O que o presidente está fazendo é enviar uma mensagem forte à Coreia do Norte em uma linguagem que Kim Jong-Un consiga entender, porque parece que ele não parece entender a linguagem diplomática”, minimizou.

O secretário enfatizou que não acredita que “haja uma ameaça iminente”.

Segundo a agência oficial de notícias norte-coreana KCNA, o plano de lançar mísseis balísticos de alcance intermediário contra as imediações das bases militares americanas na ilha de Guam pode ser colocado em prática a qualquer momento.

De quase 550 quilômetros quadrados, essa ilha isolada do Pacífico é um posto avançado chave para as forças americanas, estrategicamente localizada entre a península coreana e o mar da China Meridional.

Quase 6.000 soldados estão presentes no território, em particular na base aérea de Andersen e na base naval de Guam.

– Guam está preparado –

Nesta quarta, o governador de Guam, Eddie Calvo, minimizou as ameaças norte-coreanas, mas declarou que a ilha está “preparada para qualquer eventualidade”.

Bombardeiros americanos B1-B posicionados em Guam sobrevoaram ontem a península coreana, o que “prova”, segundo a KCNA, que os “imperialistas americanos são obcecados com guerra nuclear”.

A questão se tornou ainda mais grave com as informações do jornal The Washington Post sobre os avanços militares norte-coreanos.

O jornal informou na terça-feira que um relatório da Agência de Inteligência de Defesa (DIA) avalia que o regime comunista norte-coreano tem armas nucleares para colocar em seus mísseis balísticos, incluindo intercontinentais (ICBM, na sigla em inglês).

Isso representa uma ameaça aos países vizinhos e também ao continente americano, segundo conclusões do relatório concluído em julho pela DIA, acrescenta o Post.

Os especialistas têm divergências sobre as verdadeiras capacidades da Coreia do Norte, em especial a de miniaturizar com sucesso uma ogiva nuclear para introduzi-la em um míssil. A DIA chegou a conclusões similares há quatro anos, as quais depois foram descartadas por outros serviços de Inteligência.

Todos concordam, porém, que Pyongyang avança a passos largos desde que Kim Jong-Un chegou ao poder em dezembro de 2011.

Em julho, o regime norte-coreano lançou com sucesso dois ICBMs. Descrito por Kim Jong-Un como um presente para os “bastardos americanos”, o primeiro teste mostrou que o foguete poderia, potencialmente, atingir o Alasca. O segundo míssil testado sugeriu que até Nova York poderia estar no alvo.

Trump disse que Kim Jong-Un “tem ameaçado além de sua atitude normal”.

As autoridades americanas repetiram diversas vezes este ano que a opção militar estava “sobre a mesa”.

– Críticas ao discurso –

Analistas e autoridades políticas ridiculizaram as declarações do presidente americano.

“Tentar superar a Coreia do Norte em ameaças é como tentar superar o papa em orações”, tuitou o professor John Delury, da Universidade Yonesi de Seul.

O congressista democrata Eliot Engel, membro da Comissão de Relações Exteriores da Câmara de Representantes, lamentou a “absurda linha vermelha” traçada por Trump e que Kim Jong-Un vai atravessar, inevitavelmente.

“A Coreia do Norte é uma ameaça real, mas a reação desequilibrada do presidente sugere que poderia considerar o uso de armas nucleares americanas em resposta a um comentário desagradável de um déspota norte-coreano”, disse.

Ainda segundo o Post, outra avaliação de Inteligência acredita que a Coreia do Norte tenha hoje até 60 armas nucleares, mais do que se acreditava até então.

Apesar desses avanços, especialistas asseguram que a Coreia do Norte ainda precisa superar obstáculos para poder afirmar que conseguiu aperfeiçoar sua tecnologia de armas nucleares e alcançar o território continental americano.

Após o segundo teste de ICBM, os especialistas afirmaram que a ogiva não conseguiu superar o limiar de entrada na atmosfera.

Para Siegfried Hecker, ex-diretor do Laboratório Nacional de Los Álamos (Novo México), Pyongyang não tem experiência para lançar “uma ogiva nuclear suficientemente pequena, leve e robusta para poder sobreviver a um envio através de um ICBM”.

AFP

 

Comentário

Comentário

DEIXE UMA RESPOSTA